Terça-feira, 10 de Abril de 2007
Em busca do imaginário

O Olhar fixo nas águas rugosas, as velas despejando ventos afastando-se de mansinho para longes tão distante como o meu pensamento. Vai-se me o olhar, vai-se me o pensamento na vaga que retorna à imensidão do oceano, nas velas depejando ventos, no diálogo das gaivotas , no diálogo dos cascos sulcando o azul turquesa, no murmurar das ondas que se roçam nos cascos apressados.

Descalço, de calça arregaçada, salpicada, de pés firmemente enterrados na fina areia cor de mel, sinto a frescura da água invadir-me, o meu rosto fatigado, fustigado, marcado pelo tempo e pela idade, surge qual bandeira de galeão drapejando à tona da água, que singra os oceanos de velas despejando ventos, levando e trazendo sonhos, encontros e desencontros, alegrias e tristezas, surge como as memórias e cada traço no rosto um sulco de galeão, muitos sulcos, muitos galeões, muitas derrotas, muitas velas desfraldadas despejando ventos afastando-se de mansinho para longes tão distantes como o meu imaginário, que se perde entre vagas que retornam à imensidão dos oceanos, nos diálogos das gaivotas, dos cascos sulcando o azul turquesa, no murmurar das ondas roçando os cascos velhos e gastos, apressados em busca do imaginário.


sinto-me: despejando vento
música: se eu quiser falar com Deus

publicado por estimulo às 01:46
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
31


posts recentes

...

Afia facas e navalhas

Em busca do imaginário

Porto de abrigo

Libertar amarras

além fronteira

arquivos

Maio 2008

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds